Ode ao Ubuntu-PT

Pauwels_-_Camões

No além mar também existe Ubuntu. É o caso da comunidade Ubuntu-PT, que possui um Planeta, como também aqui temos. Em homenagem a esta comunidade, ofereço para os leitores do Planeta Ubuntu Brasil um trecho de uma obra dos mais célebres portugueses que inaugura aquilo que nos mais une Brasil e Portugal no Software Livre: a língua portuguesa.

Depois de procelosa tempestade,
Noturna sombra e sibilante vento,
Traz a manhã serena claridade,
Esperança de porto e salvamento;
Aparta o sol a negra escuridade,
Removendo o temor do pensamento:
Assim no Reino forte aconteceu,
Depois que o Rei Fernando faleceu.

“Porque, se muito os nossos desejaram
Quem os danos e ofensas vá vingando
Naqueles que tão bem se aproveitaram
Do descuido remisso de Fernando,
Depois de pouco tempo o alcançaram,
Joane, sempre ilustre, alevantando
Por Rei, como de Pedro único herdeiro,
(Ainda que bastardo) verdadeiro.

“Ser isto ordenação dos céus divina,
Por sinais muito claros se mostrou,
Quando em Évora a voz de uma menina,
Ante tempo falando o nomeou;
E como cousa enfim que o Céu destina,
No berço o corpo e a voz alevantou:
– “Portugal! Portugal!” alçando a mão
Disse “pelo Rei novo, Dom João.” –

Início do Canto IV da obra ‘Os Lusíadas‘, de Camões.

Você pode gostar...

8 Resultados

  1. Canis Lupus disse:

    Gratos pela prosa, que aquilo que nos une nunca nos separe

  2. Susana disse:

    Foi muito bom ver este post no planeta brasileiro.
    Um grande abraço aqui de Portugal. 🙂

  3. Julio Neto disse:

    Camarada… sem comentários… Tomara que alguem entenda. 🙂

  4. Samira disse:

    Como pude ler em outros textos, os softwares livres são ótimos para quem não tem condições de obter um software pago, porém estes muitas das vezes não oferecem o que um pago tem a oferecer. Quando um software é atualizado ou ganha uma nova versão é muito mais trabalhoso para quem faz a manutenção, e os testes dos novos programas criados.
    Desbravar esses mares é o objetivo dos programadores que trabalham com os softwares livres.

  5. Cássio disse:

    A CAMÕES

    Quando n’alma pesar de tua raça
    A névoa da apagada e viu tristeza,
    Busque ela sempre a glória que não passa,
    Em teu poema de heroísmo e de beleza.

    Gênio purificado na desgraça,
    Tu resumiste em ti toda a grandeza:
    Poeta e soldado… Em ti brilhou sem jaça
    O amor da grande pátria portuguesa.

    E enquanto o fero canto ecoar na mente
    Da estirpe que em perigos sublimados
    Plantou a cruz em cada continente,

    Não morrerá sem poetas nem soldados
    A língua em que cantaste rudemente
    As armas e os barões assinalados.

    (Manuel Bandeira)

  6. Gabrielle disse:

    Desbravar o enorme oceano que é o mundo do sofware livre é um grande desafio, já que o mar a se descobrir vai muito além do que vemos na tela dos computadores, e aqueles capacitados para isso são provados a cada instante diante de novos programas e manutenções. Adorei a citação do poema de Camões, tem tudo a ver com o universo, que pelo menos no meu caso, estou descobrindo ainda, como um marinheiro de primeira viagem!

  7. Fernanda disse:

    Não entendo muito de softwares livres, mas acho que eles são uma ferramenta importante para quem não quer desembolsar uma graninha para ter quase a mesma eficiência de um livre. Espero cada dia mais que as pessoas que trabalham com softwares livres possam aprimorá-los para que não seja mais necessário pagar por softwares.

  8. Dâmia disse:

    Nada melhor para brindar à línguia portuguesa do que uma dose de Camões. Não conheço o Ubuntu, mas minha curiosidade e motivação aumentam a cada artigo deste blog.
    Parabéns!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *